Lippel entrega fábrica de briquetes do Projeto Caatinga Viva

Projeto visa recuperar áreas degradadas e conservar a caatinga no Rio Grande do Norte, através da produção de briquetes.

A ONG Carnaúba Viva, juntamente com a EMBRAPA, o IFRN, a ANEA e a CAERN, juntam seus esforços e conhecimentos específicos nesse projeto para implementar na região do Baixo Açú (RN) uma verdadeira revolução no modo de produção energética, conservando seu bioma e transferindo tecnologias através de um amplo programa de treinamento e educação ambiental, para a comunidade envolvida diretamente com o problema e para os técnicos que atuam na região.

O tema cental do projeto Caatinga Viva é substituir a matriz energética da região e interromper o processo de degradação e desmatamento, em que foram consumidos cerca de 2.880.859 m³ de lenha nativa na região nos últimos 17 anos, usada para alimentar os fornos das indústrias e residências.

As instituições parceiras esperam substituir o uso da lenha nativa pela chamada lenha ecológica – os briquetes feitos à base de matéria-prima orgânica prensada e seca que serão produzidos na biofábrica construída no Campus Ipanguaçu do IFRN. A Lippel foi escolhida como fornecedora das máquinas e equipamentos da Fábrica de Briquetes, que já chegaram no local e serão instalados em breve.

A Lippel fabrica máquinas para o processamento e transformação de biomassa das mais variadas fontes - madeira de reflorestamento ou de reciclagem, bagaço de cana e casca de arroz, entre outros - em energia na forma de calor. Nossas máquinas são usadas para picar, triturar, peneirar e separar, movimentar, secar e armazenar a biomassa, fabricar briquetes ou pellets para potencializar ainda mais o seu poder calorífico e posteriormente obter energia e calor através da queima automatizada da biomassa.

Veja nos vídeos abaixo alguns exemplos de fábricas de briquetes Lippel, com diferentes tipos de matéria-prima.


Compartilhar