Instituto de Pesquisas Tecnológicas estuda produção de biomassa a partir do capim-elefante

Um projeto do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) estuda a possibilidade de produção de biomassa para a geração de energia através do capim-elefante.

De acordo com Vicente Mazzarella, coordenador do projeto, o capim-elefante é uma fonte de energia sustentável com alto potencial para suprir as demandas de energia em toda a região de Panorama, cidade localizada no estado de São Paulo.

Mazzarella explica que existe uma demanda firme por energia na geração de calor. O capim-elefante se mostra como uma alternativa de alta eficiência energética, com a vantagem de manter em equilíbrio o balanço das emissões de gases do efeito estufa. Atualmente existem outros países, como a China, por exemplo, que começam a apostar neste setor energético.

Durante a fase de implementação, o projeto prevê o plantio de 63 lotes, totalizando uma área de 80 mil m², cada lote terá três tipos diferentes de gramínea (capim) que serão testadas com cortes em períodos alternados, com ou sem irrigação, procurando a maximização dos resultados combinando as variáveis. Os resultados obtidos serão comparados aos resultados no teste com a cana-de-açúcar.

A principal vantagem da utilização do capim-elefante é a alta produtividade em um curto período, podendo ser feita uma colheita a cada seis meses. O problema é o alto nível de umidade, já que o capim-elefante recém colhido pode ter entre 70% e 80% de umidade, para resolver isto serão estudadas alternativas para a secagem do resíduo. Outra opção é a briquetagem deste material, que é interessante para vários setores industriais com necessidade de calor e vapor.

O capim-elefante possui diversas aplicações, dentre elas a combustão direta em cerâmicas, pizzarias, padarias, entre outros, podendo também ser utilizado em forma de pellets ou briquetes para aquecimento residencial ou para geração de energia térmica ou elétrica e outros usos industriais que requerem calor.

Este projeto ainda precisa ser assinado no âmbito do Programa de Apoio Tecnológico aos Municípios (PATEM), entre a Cooperativa das indústrias de Cerâmica do Oeste Paulista (Incoesp), a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo e a Prefeitura Municipal de Panorama.

Veja ao lado as fotos do acompanhamento do crescimento do capim-elefante.


Compartilhar