Cooperativa de ex-detento fatura R$ 1 milhão por ano com reciclagem de madeira

Fernando não conseguia emprego pelo fato de ser ex-presidiário, então resolveu abrir uma cooperativa junto com outros ex-detentos e hoje faturam 1 milhão por ano.

Fernando de Figueiredo cumpriu seis anos de pena no presídio da Papuda, em Brasília (DF) por assalto e roubo de carro. Por ser ex-presidiário, Fernando não conseguia arrumar um emprego, foi quando decidiu abrir seu próprio negócio e fundou a cooperativa Sonho de Liberdade junto com outros egressos do sistema prisional.

Segundo Fernando, o negócio começou com um grupo de 10 colegas que não conseguiam trabalho. Enquanto ainda estavam no presídio, eles adquiriram a prática de fabricar bolas de futebol, então, já em liberdade, continuaram a produção de bolas e as vendiam de porta em porta.

Após dois anos de trabalho, a concorrência chinesa atrapalhou seus negócios e suas vendas caíram mais de 50%. Desta forma, a empresa teve que mudar seu símbolo, a bola, e em 2007 iniciaram seus trabalhos com a reciclagem de madeira de construções civil e a madeira depositada no aterro de Brasília.

Fernando aponta que entre seus clientes há duas grandes empresas do setor de agronegócios, a Cargill e a Bunge. “Percebemos uma nova oportunidade de negócio, pois era uma montanha de madeira para na nossa frente”, explica Fernando. A cooperativa fez uma parceria com a UNB (Universidade de Brasília), foi quando começaram a dar resultado, e criaram uma linha com seis produtos.

Os cooperados afirmam que reciclam 1500 toneladas de madeira por mês, eles separam a madeira, que será triturada e depois vendida para indústrias, onde são utilizados como combustível em caldeiras. Outra parte da madeira é trabalhada para a produção de móveis rústicos. A UNB ficou responsável pelo design dos móveis e estes produtos são produzidos sob medida para restaurantes, lojas e empresas.

Apesar da reciclagem de madeira ser o foco principal da cooperativa, a produção de bolas não parou, a cooperativa ainda produz cerca de 300 bolas por mês. Estas bolas são vendidas a R$ 35,00 cada, porém a comercialização destas é apenas para eventos beneficentes e brindes corporativos.

Os investimentos da cooperativa em equipamentos foram de R$ 450 mil, que foram para a compra de caminhões, serras e trituradores. Para Fernando, a cooperativa está consolidando um projeto social, pois ela proporciona uma nova chance para os ex-detentos, que em sua grande maioria, não conseguem se inserir no mercado de trabalho.

A cooperativa Sonho de Liberdade está instalada na Cidade Estrutural, bairro carente de Brasília, pois é o local residem a maioria dos cooperados, enquanto que a sede fica localizada próximo ao aterro sanitário, desta maneira é mais fácil a coleta do material que será reciclado pela cooperativa.

Veja o vídeo do picador de madeira triturando a maneira para a reciclagem:

 


Compartilhar